Mauricio Hanna imprimiu o pragmatismo de sua profissão a estética do seu MaxHaus

MaxHaus do Mauricio Hanna

O engenheiro Mauricio Hanna imprimiu o pragmatismo de sua profissão a estética do seu MaxHaus.

Um conceito é uma representação mental de algo percebido através dos sentidos.
Assim sendo, o conceito de arquitetura aberta só existe quando a preenchemos com os próprios sentidos, conectando o espaço com coisas que traduzem aquilo que somos, do que gostamos, como nos vemos e desejamos ser percebidos.

Cada comprador acaba contando a sua história na criação do seu MaxHaus e foi exatamente isso que fez o engenheiro Maurício Hanna. O apartamento possui em seu DNA materiais como aço cortem, cimento e tijolo e a composição final reflete muito a personalidade do proprietário. E o de Maurício está naquele status de originalidade percebida a olho nu.

Recheado de múltiplas influências, o tema do projeto foi a organização. Ela começou pela cozinha, propositalmente fechada.

Aliás, aqui o contexto de "fechar" migra arbitrariamente para o significado de "close", aquilo que aproxima e aconchega, muito pelo conforto da cartela de cores mais escuras que fazem parte dos móveis e ambientes. Há liberdade criativa e tudo é muito coerente.

É uma casa essencialmente masculina, sem sombras e sem dúvidas. Tudo conspira para a elegância gritante - ou sussurrante? - do lugar.

Quando pergunto se a decoração será assim para sempre - já que estou diante de um profissional cujo trabalho não pode se dar a chance de ser perecível - Mauricio responde com a perfeita tradução do espírito da nossa época: "Pode ser que não. Somos seres mutáveis, evolucionários a cada instante que passa. A arquitetura aberta deste imóvel permite estar. Hoje de um jeito. Amanhã, quem sabe..."

Categoria: Minha Haus Postado por: MaxHaus